LEI 13.256

Sancionada lei que altera novo CPC

11 de fevereiro de 2016 Visualizada 104 vez(es).

cpcA presidente Dilma Rousseff sancionou nesta sexta-feira (5) a Lei 13.256, que faz uma série de alterações no novo Código de Processo Civil (Lei 13.105/2015). Entre as mudanças, está a que restabelece para as cortes locais a análise prévia de recursos encaminhados ao Supremo Tribunal Federal (STF) e ao Superior Tribunal de Justiça (STJ), o chamado juízo de admissibilidade, e o fim da obrigatoriedade dos julgamentos em ordem cronológica.

Outro ponto foi a extinção do “plenário virtual”, dispositivo previsto no Novo CPC que possibilitaria julgamentos colegiados por meio eletrônico, em casos em que não se admite sustentação oral pelos advogados das partes. Entretanto, o PLC 168/2015, aprovado pelo Congresso Nacional, e, agora, sancionado prevê a revogação total do artigo. A AMB e a Anamatra haviam encaminhado ofício à Presidência da República solicitando a manutenção do julgamento virtual.

Para a AMB trata-se de um retrocesso, conforme explica o desembargador Marcos Alaor Diniz Grangeia. “Temos toda uma estrutura de PJe, de processos digitais, a era é da modernidade. O dispositivo possibilitaria que houvesse uma celeridade muito maior”, afirma o coordenador na AMB da comissão do CPC. Segundo ele, a crítica dos advogados de que o julgamento virtual feria prerrogativas da classe não se sustenta, pois o dispositivo só poderia ser utilizado com a concordância das partes. “Existem meios para a informática fazer o que faltava, como a questão da sustentação oral, dependia apenas de regulamentação. Mas eliminar é um retrocesso”, diz.

De acordo com a nova lei, também não haverá mais a obrigatoriedade dos julgamentos em ordem cronológica, fato comemorado pela entidade. O texto agora determina que a ordem de chegada deve ser seguida “preferencialmente”.

“A AMB vê como um grande avanço, pois o julgamento em ordem cronológica engessava a magistratura, tirava o poder de administração dos processos. O Novo CPC vinha com uma proposta de engessamento, essa alteração restabelece a autonomia dos juízes de gerenciar suas varas”, afirma Marcos Alaor.

Fonte: AMB

Associação Cearense de Magistrados
Av. Santos Dumont, 2626 - Ed. Plaza Tower - Aldeota
Salas 1307 a 1311 - Cep: 60150-161
Tel/Fax: (85) 3264-8288
acmag@acmag.org.br